TV perde a pole position entre as mídias

18/10/2004 - Estado de S. Paulo - LINK

TV perde a pole position entre as mídias

TV perde a pole position entre as mídias

 

Marcelo Tas


Quando eu era mocinho (faz tempo), havia um programa na TV Tupi chamado Almoço com as Estrelas. Era uma refeição ao vivo, em tempo real, diante das câmeras. Entre uma garfada e outra, os apresentadores, Airton Rodrigues e sua esposa Lolita, comandavam o rodízio de cantores e cantoras ao microfone. Para divulgar seu disco, o artista suava sob os holofotes. E ainda tinha que comer a maionese.



De lá para cá, uma tremenda mudança aconteceu diante dos nossos olhos. Com a atual revolução digital, os artistas dependem cada vez menos da televisão. Não precisam mais gastar o gogó. Nem mandar beijinhos para as meninas do auditório. Estão criando os seus próprios canais de divulgação.
Alguém se lembra do chilique do Lulu Santos no Faustão? Faz pouco mais de um ano. Desde então se recusa a aparecer no programa da Globo. E só conversou com a imprensa sobre o incidente através do seu site oficial.

 


O lançamento do CD Tribalistas trouxe uma marca. Os autores não fizeram uma única aparição na TV. A não ser no documentário produzido por eles próprios, que virou um DVD. Um sucesso absoluto de vendas.



Outros exemplos do fenômeno: o ressurgimento de Léo Jaime turbinado por seu pequeno blog na internet. A mídia paralela de Lobão. E os Racionais MC’s- outro campeão de audiência que descarta a TV.

 


No show biz norte-americano, os fatos são ainda mais intrigantes e divertidos. Os superstars pré-internet estão sambando na mão de moleques da era digital. Na véspera do lançamento do seu novo álbum, o rapper Eminem cavou um enorme espaço na mídia mundial cutucando justamente ela, a rainha do marketing, Madonna.

 


Usou a tática conhecida como marketing viral. Trata-se de um boato disparado na rede que vai se espalhando por contaminação numa espécie de boca a boca virtual. O nome, marketing viral, vem justamente daí. Em segundos, como um vírus, a informação viaja pelos nós da internet. Começa em pequenos fóruns, passa por blogs, sites de notícias… daí chegar numa grande agência de notícias é um pulinho. Resultado: num clique o mundo inteiro está comentando o fato quase ao mesmo tempo. Custo zero para o artista.

 


A notícia viral do Eminem era que ele apareceria num videoclipe travestido, de peruca e até com um sutiã em forma de cone, imitando a poderosa Madonna.

 


Outro astro pré-internet que mordeu a mesma isca foi Michael Jackson. Satirizado no mesmo clipe, ligou para uma FM de Los Angeles para reclamar da chacota. Resultado: mais publicidade para Eminem contaminando a mídia mundial em poucas horas.

 


Resta uma ironia digital neste episódio. O lançamento de Encore, o novo álbum do Eminem, gerou tamanha expectativa que foi adiado algumas vezes por precauções contra pirataria.



Na última semana uma faixa começou ser vendida a granel nas grande lojas virtuais da internet: “Just Lose It”, a mesma do clipe que satiriza Madonna e Jackson. Em menos de 24 horas milhares de cópias piratas já circulavam pela grande rede. Com os piratas virtuais, nem o espertinho do Eminem dá jeito.